È isso ai pessoal esse é meu primeiro post aqui no blog espero agradar, vou começar devagar falando sobre um assunto aleatório e divertido.

Em meus mais de 10 anos como narrador sempre tive alguém em meu grupo de jogadores que fazia a diferença, mas não estou falando daquele jogador certinho que os narradores adoram.

Estou falando daquele cara que surpreende que monta aquele personagem que foge totalmente do corriqueiro, no meu grupo tinha um cara (Tin Tin) que era o terror dos narradores sempre com personagens exóticos ou as vezes com personagens aparentemente normais, mas com uma característica que o tornava diferente.

Isso geralmente é muito mal visto por narradores e jogadores no caso do Tin Tin era a festa do grupo eu sempre ia narrar pensando no que aquele maluco iria aprontar e o pessoal sempre parava só pra ouvir suas ações de jogo.

Me lembro de um de seus personagens em uma mesa de Vampiro: A Mascara um malkaviano chamado “Soma Cruz” que usava um sobretudo vermelho e carregava uma bandeira da Inglaterra, esse personagem havia sido congelado pelos nazistas durante a segunda GM e tinha sido recentemente liberto foi uma experiência bem interessante para mim e para o pessoal da mesa.

Em uma outra mesa D&D ele fez um guerreiro que fabricava azeite de oliva, nossa como ele encheu o saco para ter esse talento e depois disso foi ainda pior tendo que aguentar a campanha toda ele fabricando e oferecendo aquela porcaria para todo mundo que encontrava.

No caso doTin Tin isso era feito de forma intencional, tinhamos um outro caso no grupo o “Poples” que sempre tinha personagens que marcavam, mas a diferença aqui é que era sem querer… SEMPRE!

Me lembro de um de seus personagens um ladino qualquer coisa que acontecia ouviamos a frase “então eu dou um furtivo nele” o coitado do Poples foi vitima de zuação por essa frase durante anos, algumas vezes ele declarava ações que não eram… digamos inteligentes e quando percebia o tamnaho da burrada sempre soltava a frase “então eu não fiz isso”.

Conclusão esses jogadores marcaram época em minhas mesas tanto como narrador como jogador.

  1. Gun Hazard disse:

    O Bom é que o “Bom Dia” conhece o Kléééébbbeeerrr.

    Só que ele nunca viu o Kleber na nossa mesa, é uma coisa impressionante como toda cena que ele tá vira algo no minimo menos tenso, imaginem o K como sendo o Joxer sa série Xena, e voces COMEÇAM a ter uma, noção…

    Seja bem Vindo Bom Dia.

  2. cristianobomdia disse:

    Cara pode até ser, mas eu garanto o Tin Tin é a criatura mais bizarra da face terra (média)….

  3. cybercrinos disse:

    Cristiano. ( legal poder chamar duas pessoas de uma só vez)

    bizarrice profunda mesmo, é quando esses jogadores estão narrando.

  4. sandro disse:

    enfim alguem valoriza as pessoas como eu!!

  5. sandro disse:

    enfim alguem valoriza as pessoas como eu!!!!!!!!!!!!!!!1

  6. J.Rockness forever disse:

    Hehehehe eu já criei uma personagens doida, era uma elfa-feiticeira que era viciada em suco de goiaba e todo o jogo ficava falando “nao toca no meu suco!” no final ela matou um dos jogadores acusando de ter bebido a garrafa e o jogo terminou 🙁