Cartas de baralho no Lugar de Dados?

Posted: 13th agosto 2009 by Gun_Hazard in RPG
Tags: , ,

A resposta é SIM.

Sempre fico pensando em novas possibilidades enquanto estou andando (geralmente caminho por necessidade uns 5 Km por dia, contando com a faculdade aumenta para 10 Km.

Em um dos meus devaneios veio a ideia de substituir dados por outros dados e um dia após a partida de Truco em vez da sessão de RPG veio a ideia (Não tão original pois temos Castle of Falkenstein e DeadLands) de usar Cartas de Baralho em lugar de jogadas de dados.

Mas aí você pode pensar que é necessário um sistema novo para abranger isso?
Não com adaptação certa basta as cartas para substituir os dados em qualquer jogo.

A lógica é Simples. Dados são: Valores Numéricos Aleatórios; as cartas de baralho tem valores numéricos que podem substituir os dados, bastando separar a quantidade desejada em montes de cartas.

Geralmente os baralhos tem um total de 52 cartas.

Com valores que vão de 1 a 13 divididos em 4 Grupos de Naipes (sendo o Ás(A) o valor UM, o Valete(J) o valor 11, a Dama(Q) o Valor 12 e o Rei(K) o Valor 13.
Mesmo os Baralhos de Truco tem 40
Com valores que vão de 1 a 10 divididos em 4 grupos de Naipes (sendo o Ás(A) o valor UM, o Valete(J) o valor 8, a Dama(Q) o Valor 9 e o Rei(K) o Valor 10)

Veja os exemplos:
D100
: Dois conjuntos de Naipes com cores diferentes com cartas de 1 a 10 o Primeiro Naipe (por exemplo o Vermelho) é a dezena e o segundo Naipe é a unidade
D20
: Dois conjuntos de Naipes com cores diferentes com cartas de 1 a 10 Soma-se os valores caso o primeiro Naipe (por exemplo o Vermelho) seja 10 Considere como valor Zero
D12
: Um Conjunto de naipes com valores de 1 a 10 mais o Valete(J) e a Dama(Q)
D10
: Um Conjunto de naipes com valores de 1 a 10.
D8
: Um Conjunto de naipes com valores de 1 a 8
D6
: Um Conjunto de naipes com Valores de 1 a 6
D4
: Um Conjunto de naipes com Valores de 1 a 4 ou Valete(J), Dama(Q), Rei(K) e um Coringa(JOKER)
D3
: Um Conjunto de naipes com Valores de 1 a 3 ou de Valete(J), Dama(Q) e Rei(K)
D2
: Um Conjunto de naipes com valores de 1 a 2 ou Valete(J) e Dama(Q)

Com um Conjunto com dois jogos de Cartas, geralmente com Versos em cores diferentes como por exemplo uma Azul e outro Vermelho e usando as cartas do Valete(J), Dama(Q), Rei(K) e Coringa (JOKER), é possível deixar todos estes exemplos já separados e identificados(Como demonstrado por exemplo nas cores diferenciadas no Exemplos acima), para agilizar o jogo em vez de deixá-lo travado.

Como Usar:
Caso o mestre tenha dois conjuntos de cores ou fabricantes diferentes ele pode deixar cada conjunto separado com antecedência e quando houver a necessidade de um rolamento de dados ele simplesmente sorteia uma carta aleatória (ou Duas caso do D20 e D100) e aplica a carta como valor. Também é possível embaralhar as cartas a cada jogada e pedir para que o jogador tire uma ou obrigatoriamente a carta de cima do monte (ou montes).

Jogos como Mutantes & Malfeitores, Storyteller, e GURPS por usarem apenas UMA categoria de Dado permitem usar esta adaptação de Forma mais Prática. Pois você pode “montar” dois ou mais conjuntos com apenas um baralho de 52 cartas. Storyteller também tem a vantagem de ser mais prático ‘Contar os Sucessos’ usando o baralho.

OBS: Como no Jogo de Baralho Normal tome muito cuidado com Cartas Marcadas pois podem estragar a diversão dos prejudicados.

Qual a função Disto?
A função mais fundamental é a de substituir os dados por cartas de baralho para o caso do grupo não ter nenhum dado para jogar.

Outra opção é a estética de se usar cartas para dar um clima diferente ao jogo (por exemplo um jogo de Velho Oeste). Encaixando aqui também a sugestão de usar cartas em Live-Actions como os de Storyteller, Daemon, entre outros, pois cartas nessa situação são mais práticas por não necessitarem de mesa e caberem no bolso do narrador do Live.

Uma Terceira e mais Ambiciosa é o Mestre começar a brincar com as possibilidades em vez de ficar jogando dados a cada ação os jogadores de um sistema baseado no D20 por exemplo poderiam receber cada um um Conjunto de dois Naipes cada e Apostar suas jogadas, podendo a cada ação escolher quais cartas lançar e depois de lançá-las deve deixá-las viradas na mesa até que tenha usado todas as cartas que ainda sobram a mão.

É uma maneira de se escolher a própria sorte, que pode não agradar a todos, mas é apenas um exemplo de variedades que podem ser obtidas através do uso de cartas em vez do uso de dados.

Espero que isso seja de auxilio e ajudem as mentes férteis a pensar em novas possibilidades.

Bom jogo a todos.

  1. balard disse:

    A principal modificação ao usar um baralho(joguei bastante o MSHAG), é vc poder prever mais ou menos os resultados, não sendo mais 100% aleatório. Na hora do “vambora, ainda não saiu nenhum 9!” ou “já era, é quase impossível vc acertar sem nenhum 7 ou mais”

    A base do MSHAG é muito legal, que eu acho q é igual ao Dragonlance 5th Age.

  2. giulius disse:

    muito boa essa ideia…
    principalmente para jogos live

  3. Já pensei em usar cartas para determninar a iniciativa do jogo, alterando a mesma a cada rodada.

  4. Andvari disse:

    Bem útil mesmo…
    A única vez que eu já tinha uzado cartas em um rpg foi quando eu coloquei um baralho das surpresas na minha campanha de D&D

  5. Baralho das surpresas é mal, MUITO mal!
    (Eu sei do que estou falando XD)

  6. Gun Hazard disse:

    Sejam bem Vindos Pedro, giullius e Andvari.

    A grande sacada que ví nas cartas é a de poder “brincar” mais com as possibilidades, como o Balard Disse é possivel jogar sem reembaralhar o maço podendo assim prever qual é a melhor hora de usar alguma estratégia ou não.

    Tudo depende da criatividade de quem usa.

  7. Vermei disse:

    Pode até parecer estranho, mas já aconteceu de estarmos reunidos numa sessão e os dados ficarem com alguém que resolveu desaparecer justamente no dia do jogo. Fizemos um Live de D&D e utilizamos um baralho, dividido mais ou menos desse jeito aí. Foi bacana.

  8. Fernando Hax disse:

    Usei variação deste sisema no d20 em uma crônica de fantasia medieval.

    Na verdade fiz assim:
    Tirei as figuras.

    Quando for d20:
    Cartas vermelhas valem o valor da face.
    Cartas pretas valem o valor da face +10.

    Quando for outros dados:
    O valor da carta vale % do dado. as cartas vermelhas valem o valor da face x 5%. As pretas valem 50 +o valor da face x 5%. E cada jogador saia com 10 cartas, comprando uma nova mão a cada mudança de “cena”.

    Funcionou bem, os jogadores controlaram praticamente tudo (queimando as cartas ruins em dano, por exemplo).

  9. Gun Hazard disse:

    Obrigado Vermei, isso quer dizer que não sou sozinho nas minhas loucuras.

    Fernando recentemente tentamos usar as cartas numa aventura de Velho Oeste usando True20, a idéia era dar o clima do jogo como o DeadLands.

    Só falhou porque o mestre, meu colega, que me pediu para ajudar ele a implementar isso das cartas nesta aventura, não estava familharizado com elas e não levou a coisa a sério…

  10. advottwhoca disse:

    Como tao pessoal?!gostei tanto o vosso fórum!
    Deem uma olhada tambemno meu forum em http://www.italiano.pokersemdeposito.com/
    , sobre jogos de poker gratis em portugues!
    Au revoir